Análise: Unforeseen Incidents

Unforeseen Incidents consegue ser um caso raro dentro dos jogos point and click, ao ser ao mesmo tempo um bom jogo dentro do género e um jogo bom no geral. Por incrível que pareça não é de todo comum um jogo poder ser as duas coisas e muitos dos recentes point and click podem até ser bons dentro do género, mas estão longe de ser bons jogos no geral. Felizmente Unforeseen Incidents consegue oferecer uma aventura bem construída, com bons diálogos e boas prestações nos trabalhos de vozes, assim como boa música e visuais desenhados à mão fantásticos.

O jogo começa com algo estranho a acontecer em Yelltown. Harper Pendrell começa a ver cartazes por toda a cidade que alertam para uma nova e perigosa doença semelhante a uma praga e que pede às pessoas que liguem para uma corporação misteriosa. Depois de arranjar um portátil de um amigo ele descobre a gravidade da doença e vê alguém a morrer na rua. Este é efetivamente o evento que dá origem a toda a história e ao facto de Harper querer ajudar a fazer algo a respeito do problema. A história de pois cai numa história de conspiração e pesar dessa configuração aparentemente pesada, o jogo é predominantemente alegre.

Em termos de jogabilidade este é um jogo do género bastante tradicional. Unforeseen Incidents foi desenvolvido pela Backwoods Entertainment, um estúdio alemão, mas o guião foi criado de uma forma interessante, com essencialmente dois criadores, um alemão e um inglês e cada um estava encarregue da adaptação do seu idioma. Além disso o jogo teve influência de comediantes que ajudaram a criar o fantástico humor do jogo. Uma das razões para que este jogo seja muito divertido é o protagonista. Longe de arrogante ou simplesmente idiota como em tantos jogos do género, Harper Pendrell é inteligente mas divertido.

Unforeseen Incidents parece um jogo de aventura point and click que por incrível que pareça opta por se basear na realidade. Não temos caricaturas cliché nos NPCs, mas sim personagens convincentes que devemos ajudar. A maioria dos puzzles de outros jogos do género baseiam-se tantas vezes em enganar estas personagens que quase parece que é assim que toda a gente se comporta, mas Unforeseen Incidents baseia-se muito mais em tentar ajudar e não posso deixar de louvar a forma como os puzzles funcionam.

Um aspeto que não sei se irá agradar a todos é que muitos dos objetos com que podemos interagir não são propriamente úteis ou utilizados em puzzles. Sei que muitos jogadores vão gostar da interactividade com o mundo do jogo, mas muitos outros vão sentir-se perdidos ou desiludidos por perder tempo com objetos que não influenciam em nada o progresso do jogo. O sistema do inventário é também pobre e precisa urgentemente de algumas melhorias. Existem alguns outros problemas como o terceiro dos quatro actos a ser o menos polido, com objetos mal rotulados e puzzles onde temos acesso ao nome da personagem real em vez de quem eles fingem ser.

Apesar destas pequenas falhas, Unforeseen Incidents é muito divertido e a arte do jogo é simplesmente soberba. A vasta maioria dos puzzles do jogo são inteligentes e divertidos de resolver e se são fãs do género vão simplesmente adorar. Caso não sejam fãs, continuo a recomendar Unforeseen Incidents e acredito realmente que este é um dos poucos jogos do género que tem qualidade suficiente para agradar a jogadores de todos os géneros.

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

ComboCaster