Análise: The Falconeer

The Falconeer é um jogo criado essencialmente por um homem apenas, Tomas Sala, algo que poderia indicar componentes do jogo muito modestas, mas surpreendentemente é um jogo competente em todas as suas vertentes. O facto de ser um jogo criado por apenas uma pessoa, além de não ter qualquer impacto na sua qualidade, também proporcionou que The Falconeer fosse uma experiência muito focada e pessoal e uma surpresa bastante agradável para todos os que o jogarem.

Tendo em conta o seu desenvolvimento, os visuais são impressionantes e a premissa distinta e coerente. Este é um jogo de combate aéreo em mundo aberto, no qual voamos ao redor de um planeta montado em pássaros gigantes. Ao nosso dispor temos um vasto oceano para explorar onde a população se concentra em ilhas rochosas e a pirataria é abundante. O jogo começa com um tutorial superficial que nos apresenta o sistema de controlos bastante simples. Além da jogabilidade base de movimento, descobrimos que podemos voar em tempestades para aumentar as nossas armas e que mergulhar em direção ao oceano acelera e recarrega a energia. Infelizmente a dificuldade do tutorial não nos preparaadequadamente nem para a primeira missão.

Também recebemos um parceiro controlado pela IA, mas inicialmente parece que são necessários muitos ataques para eliminar inimigos. O combate demora algum tempo a dominar e reduzir o nível de dificuldade para fácil dá-nos o tempo necessário para nos familiarizarmos com o combate. Este é também um jogo altamente gratificante quando quando finalmente conseguimos vencer um tiroteio. Após o início difícil, The Falconeer realmente começa a tornar-se realmente bom. Os visuais podem ser impressionantes às vezes e a estrutura de missões do jogo faz-nos querer mais e explorar cada ilha, já que precisamos do dinheiro das missões para melhorar as nossas aves.

The Falconeer leva-nos para um mundo estranho, mas cativante. É um daqueles em que eu gabo os gráficos e posso ser mal interpretado. Obviamente não temos aqui um jogo que irá levar ao extremo o vosso PC de última geração, mas é um jogo realmente bonito e impressionante quando temos em consideração que foi feito por uma pessoa apenas. Talvez tivesse sido melhor gastar um pouco mais de tempo a pensar num tutorial mais elaborado ou numa dificuldade que fosse crescendo de forma mais suave em vez de lançar o jogador aos lobos com tanta rapidez, no entanto não deixa de ser um jogo muito interessante que os fãs de jogos de combates aéreos irão adorar.

 

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

ComboCaster