Análise: Aquamarine

Aquilo que mais salta à vista em Aquamarine é o seu estilo visual. O estilo de arte de Aquamarine é misto de arte conceptual e pop art, com cada área do jogo a parecer um desenho feito à mão e pintado com cores vivas. Dizer que Aquamarine é um jogo bonito nem sequer faz justiça ao aspeto do jogo e apenas podem ter verdadeira noção do quão bonito o jogo é, jogando. As imagens em si não fazem justiça à beleza do jogo e mesmo em video é difícil capturar a verdadeira beleza do jogo.

Se olhar para Aquamarine é bom, jogar não fica muito atrás. Aquamarine é um jogo de sobrevivência e exploração, mas não é muito parecido com nenhum dos jogos do género que joguei até agora. É um jogo de sobrevivência sim, mas é de longe mais tranquilo do que qualquer outro. Aqui jogamos como uma astronauta que aterra num planeta aquático e precisa de reparar a sua nave. Para fazer isso ela precisa de mergulhar na água do mundo na sua cápsula anfíbia e adquirir materiais e combustíveis ao mesmo tempo que evita os habitantes dos mares deste mundo.

Aquamarine tem um ritmo lento e uma grande ênfase em pensar antes de agir. Quando começamos o jogo, a primeira coisa que encontramos é um ecrã que nos diz exactamente isso. Maior parte dos jogos do género pede ao jogador para ter cautela, mas nenhum tanto como Aquamarine. O jogo é baseado em turnos e portanto nada acontece até usarmos uma ação. É portanto um jogo de sobrevivência diferente em muitos sentidos. A maior parte do jogo é baseada em movimento, com o jogador a ter de decidir qual seção da grelha queremos visitar. É sensato evitar inimigos, mas temos essencialmente de procurar comida e combustível.

Quanto mais combustível o jogador adquirir, mais se pode mover no mundo do jogo. Como já referi, o mundo é essencialmente aquático e portanto podemos também mover a nossa personagem para a superfície do oceano para ajudá-la a contornar obstáculos complicados. O painel de controlo é fantástico para qualquer fã de scifi mais retro, bebendo muita da sua inspiração em coisas como Star Trek. Constantemente temos que voltar à ilha original para realizar melhorias no nosso veículo e descansar. A jogabilidade é simples e relaxante e se muitos jogos apostam em fazer o jogador sentir frustração, Aquamarine é o completo oposto.

Nem tudo é perfeito em Aquamarine. O jogo tem uma série de bugs e glitches que não quebrando o jogo, são um pouco irritantes. Para um jogo tão relaxado é realmente pena que tenhamos que lidar com problemas como por vezes botões não funcionarem ou um rectângulo gigante nos impedir de interagir com o jogo. Mas não é por causa disso que Aquamarine deixa de ser um bom jogo. É calmo, bonito e divertido de jogar. É um jogo capaz de nos ocupar durante horas sem nos cansar.

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

ComboCaster