Análise: Meet me at Noon

Meet me at NooN é um jogo de plataformas e puzzles desenvolvido pela Pandaroo Interactive e que promete criar com os jogadores uma nova noção de tempo. A Grande Ampulheta do tempo foi danificada e dividida em dois espíritos. Os jogadores vão ter de controlar ambos os espíritos durante cada dia do jogo. O jogador tem de perceber como cada um deles funciona e como podem interagir entre eles para resolver os puzzles. Não há muito em Meet me at NooN em termos de ação, mas os puzzles são realmente inteligentes. Em Meet me at NooN o jogador interpreta as duas personagens, tanto o espírito do dia como o espírito da noite, ambos vindos da Grande Ampulheta. O objetivo é fazê-los ficar em seus respectivos lugares ao mesmo tempo.

É um conceito realmente simples e que já vimos antes, mas nunca exatamente desta forma e com tanto foco nos simples puzzles. O tempo pode ser mais complexo do que poderíamos imaginar, especialmente quando tentamos manipulá-lo. Temos uma barra na parte inferior do ecrã que representa a linha do tempo, que determina quando é dia e quando é noite. Cada espírito pode-se mover uma certa quantidade de passos durante o seu próprio tempo, mas isso não é tudo. Cada espírito também tem um comportamento que reflete os seus movimentos de duas maneiras diferentes. Entender como podemos criar loops de tempo com os espíritos não é difícil, pois o jogo explica-nos de forma bastante clara como tudo funciona, mas chegar à solução de cada puzzle é um verdadeiro desafio.

O espírito do dia move-se apenas durante o dia e quando o espírito da Noite se move, o espírito do Dia rebobina os seus movimentos, retrocedendo a cada passo dado. O jogo consegue confundir o jogador ao nos colocar numa posição contrária ao que fazemos normalmente. Manipular o tempo de maneiras que não são tão simples é confuso. Além de parecer que cada personagem desfaz o que a anterior faz, também se podem influenciar uma à outra, empurrando-se quando próximas. A mecânica de manipulação do tempo obriga-nos a pensar de formas não lineares e o jogo consegue surpreender-nos a cada novo nível. À medida que avançamos para níveis mais avançados, a dificuldade também aumenta e torna-se cada vez mais complicado ganhar a estrela doura opcional.

Durante os primeiros níveis, essas estrelas são fáceis de obter, mas em pouco tempo tornam-se um verdadeiro desafio. Eventualmente precisamos de uma certa quantidade de estrelas para desbloquear mais capítulos e começamos a precisar realmente das estrelas e somos obrigados a repetir os níveis anteriores. Apesar de desafiante, Meet me at NooN tem uma quase completa ausência de penalidades. Podemos quase sempre jogar até encontrar-mos a solução e no geral o jogo tem uma atmosfera bastante relaxante que completa com os visuais simples mas coloridos e agradáveis e uma banda sonora serena.

Meet me at NooN tem tudo o que podemos querer num jogo do género. É uma experiência agradável que não se torna muito frustrante com o decorrer do jogo mesmo quando a dificuldade aumenta. A arte e som são muito relaxantes e agradáveis, mesmo que nunca cheguem a ser memoráveis. Se gostam de puzzles, Meet me at NooN é uma proposta interessante e original que posso recomendar.

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

ComboCaster