Análise: Legends of Kingdom Rush

Kingdom Rush dispensa apresentações. É um dos jogos de tower defense mais conhecidos, tendo sido lançado em praticamente todas as plataformas conhecidas, tendo tido direito a uma sequela e uma prequela que mantiveram a mesma mecânica base da jogabilidade. Legends of Kingdom Rush é uma reestruturação do franchise para um género diferente, um RPG com combate por turnos numa grelha hexagonal e alguns elementos roguelike.

O jogo é composto por algumas figuras lendárias do universo de Kingdom Rush mas para nos ajudar existem 12 companheiros. Cada uma das personagens tem comportamentos e estatísticas diferentes, fixando-se num papel. Quem já jogou um jogo deste género sabe exatamente o que esperar de Legends of Kingdom Rush, não existe nada que o jogo faça de realmente único ou inovador, mas é competente naquilo que apresenta.

Apesar dos pontos positivos, Legends of Kingdom Rush é um jogo mobile no pensamento da sua jogabilidade. A grande maioria das ações pode ser feita com o rato ou com atalhos do teclado, mas conseguimos ver que maior parte dos seus sistemas foi pensado com um ecrã táctil em mente. Também podemos ver que apesar da jogabilidade ser competente e os seus sistemas sólidos, tudo é muito superficial. As classes do jogo são bastante vincadas e standard. Os tanques são lentos mas duráveis, os magos são poderosos mas frágeis, o arqueiro é ágil e tanto ele como o mago podem prender os inimigos. No entanto a jogabilidade nunca vai muito além disso, não existindo grande liberdade para fazer coisas diferentes com as classes do jogo.

A campanha também é muito linear. Temos acesso a um mapa com o ponto de partida e de chegada bastante destacados e o ponto de chegada tem várias rotas diferentes que podemos escolher, no entanto não podemos voltar atrás. Pelo caminho encontramos mais companheiros, lojas e outras oportunidades de melhorar as nossas personagens, mas não podemos voltar atrás e percorrer outra rota. Este elemento rogue não é o único, já que o jogo está dividido em capítulos e cada um deles começa com as nossas personagens de volta à estaca zero, com pequenas melhorias residuais.

As arenas onde o combate tem lugar também não apresentam grandes diferenças umas das outras. Existe um ou outro pormenor que podemos usar a nosso favor, como plantas que atacam os inimigos ou explosivos que por vezes existem no cenário, mas não há nada que seja realmente novo à medida que avançamos nos capítulos. Da mesma forma, o conteúdo gerado de forma processual também se torna repetitivo em pouco tempo.

Visualmente o jogo é interessante, mas algumas escolhas feitas interferem com a jogabilidade. Uma que salta logo à vista na minha experiência é o tamanho de tudo no jogo. Tudo é ligeiramente grande demais e apesar de visualmente isto não ser verdadeiramente um problema, muitas vezes clicamos na personagem da frente quando queremos clicar na que fica por trás. Sem razão aparente o jogo também bloqueava ligeiramente o meu PC sempre que algo acontecia a meio do trajecto no mapa. Quando entre dois pontos acontece um encontro aleatório o jogo bloqueava durante um par de segundos, mas este é um problema que eu mais depressa atribuía ao meu PC, mas que não posso ignorar.

Apesar das pequenas falhas, Legends of Kingdom Rush foi uma experiência divertida que levei do início ao fim. Não apresenta uma história elaborada ou sequer interessante, mas a jogabilidade é divertida o suficiente para aguentar a duração total do jogo e o preço é mais do que justo para o conteúdo apresentado.

Share this post

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

ComboCaster